Qualidade de Vida

Programas em Saúde Ocupacional levam qualidade de vida para as empresas

Além de obrigação legal, acompanhamento da saúde do trabalhador pode melhorar a produtividade e aumentar o lucro; Sesi possui serviço nesta área.

O conceito moderno de saúde vai muito além de não se ter doenças, significa um estado de completo bem-estar físico, mental e social. Para as empresas, acompanhar a saúde dos trabalhadores é não só uma imposição legal, mas pode ser uma necessidade, uma vez que já está amplamente comprovado que pessoas em estado de bem-estar são mais produtivas e criativas, melhorando também a lucratividade e a competitividade da indústria.

“A saúde do trabalhador deve ser tratada como estratégia de negócios das empresas. Uma boa iniciativa é o atendimento dos requisitos legais já previstos nas Normas Regulamentadoras (NRs) do Ministério do Trabalho e ainda a definição de processos de liderança sustentável, sistemas de produção organizados, com metas e atribuições claras, remuneração justa e um canal de comunicação e disseminação de informações com os trabalhadores. Além disso, é necessário monitorar os indicadores de qualidade de vida”, afirma o gerente de Qualidade de Vida do Sesi no Paraná, Ademir Vicente da Silva.

Para ajudar no desenvolvimento desta estratégia ampla, o Sesi oferece às empresas do setor industrial um amplo leque de serviços. No Paraná, são 35 unidades fixas da instituição e cerca de outras 35 unidades móveis de atendimento em saúde e odontologia, que garantem a atuação em abrangência estadual.

Entre as atividades oferecidas pela instituição estão o “Diagnóstico de saúde e estilo de vida (DSEV)” e o “Diagnóstico das condições ambientais de trabalho (DCAT)”. Com base nestes diagnósticos, profissionais especializados do Sesi podem dar suporte às empresas na elaboração e execução de planos de ação para atender os requisitos previstos nas NRs. As exigências, que variam de acordo com a atividade e número de funcionários de cada empresa, em geral abrangem curso para a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA), Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) – que compreendem exames admissionais, periódicos e demissionais – e o Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais (PPRA), que exige análise e prevenção de riscos no ambiente de trabalho.

O Sesi oferece ainda, entre outros programas de Saúde e Segurança do Trabalhador, o Programa de Gerenciamento da NR-36, Laudos de Periculosidade e Insalubridade e Análise Ergonômica do Trabalho, além de definir e desenvolver os exames complementares de auxílio diagnóstico de saúde (consulta clínica, audiometria, espirometria, ECG, EEG e exames laboratoriais).

De acordo com o gerente de qualidade de vida do Sesi, estes são exames e programas obrigatórios e previstos na legislação trabalhista e as empresas que deixam de realizá-los ficam expostas a punições legais como ações de responsabilidade civil, criminal e multas, além de sociais. Neste caso, explica Silva, trata-se de perdas irreparáveis do capital humano da empresa, normalmente relacionada ao afastamento, incapacidade ou morte do trabalhador.

“Mas esse conjunto de ações significa mais que isto. É um instrumento de gestão de ambientes saudáveis. Numa consulta clínica ocupacional, por exemplo, o médico pode identificar fatores de risco de adoecimento dos trabalhadores, tais como hipertensão arterial descontrolada, diabetes, obesidade, estresse, tabagismo, dependências químicas e fatores relacionados à hereditariedade do cidadão e trabalhar para a prevenção de danos maiores”, afirma.

Foco na prevenção

Neste sentido, as ações do Sesi junto às empresas têm foco importante na prevenção e na gestão da qualidade de vida no trabalho, buscando aumentar a produtividade e a satisfação dos trabalhadores e agir antes que a doença se instale.

“O desafio contemporâneo é: sermos eficientes na identificação de fatores de risco à saúde; eficazes na definição e execução de políticas e ações técnicas capazes de evitar o adoecimento. Ou seja, temos que ser efetivos em soluções de promoção da qualidade de vida para as pessoas. No caso das empresas, segundo a OMS, o compromisso deve ser a construção de ambientes de trabalho seguros e saudáveis”, explica Ademir Silva.

Para tanto, o Sesi oferece também suporte em programas de promoção da saúde e qualidade de vida no trabalho como ginástica laboral, prática de esportes, recreação, cultura, saúde odontológica, programa Cuide -se + (que trata da saúde mental, prevenção do câncer, prevenção de álcool e drogas, atividade física orientada, alimentação saudável e combate ao estresse), além de campanhas de vacinação e outros.

Desta forma, além de melhorar a qualidade de vida dos funcionários, as empresas têm também lucros sociais e, inclusive, econômicos. “Pesquisadores afirmam que o retorno sobre o investimento em promoção da saúde do trabalhador pode chegar até 30% de redução nos custos médicos e absenteísmo. Em um dos exemplos pesquisados, no período de três anos e seis meses houve redução média de 26% em licença por doença, 26% nos custos em cuidados com a saúde, 32% de redução na compensação dos trabalhadores e 25% das faltas por doença. Com isto, foi possível obter um retorno de US$ 5,81para cada dólar investido”, exemplifica o gerente.

Serviço

Para contratar os serviços do Sesi, as empresas podem solicitar uma visita de um agente de relações com o mercado, procurar uma das unidades mais próxima, solicitar o serviço via site ou ainda pelo telefone .

Compartilhe: